Cidade

As mais antigas referências de Ilha Solteira são datadas no dia 30 de novembro de 1944, quando o local tornou-se distrito do município de Pereira Barreto com o nome de Bela Floresta.

A cidade começou a ser construída pela CESP, devido ao enorme contingente de mão-de-obra necessária à construção da Usina Hidrelétrica de Ilha Solteira, recebendo em 15 de outubro de 1968 seus primeiros moradores.

Ilha Solteira foi uma das primeiras cidades planejadas do país e manteve seu traçado pouco modificado enquanto permaneceu sob a administração da empresa estatal. Mesmo com o passar dos anos, a expansão da cidade aconteceu de forma ordenada, o que faz de Ilha Solteira uma das mais belas cidades do interior paulista.

Foi distrito da cidade de Pereira Barreto até sua Emancipação em 30 de dezembro de 1991. Passou a ter identidade própria, com mudanças significativas, assumindo sua autonomia.

Foi elevada à categoria de Estância Turística em 13 de Abril de 2000 e decretada Ilha Capital da Cultura em 29 de Junho de 2001 e no dia 29 de Abril de 2005, foi elevada à Comarca.

 

Saiba mais – A identidade desta terra rica e famosa caracteriza-se pela soma da cultura, tradições e costumes dos diversos povos que a compõem e dos atrativos de rara e grande beleza que a diferenciam dos municípios de toda a região dos Grandes Lagos.

Ilha Solteira é única e todos que a visitam, encantam-se com tudo o que oferece: desde a infra-estrutura básica constituída de todos os benefícios para a sua população, como suas belezas incomparáveis como é o caso da UHE Ilha Solteira, suas magníficas praias, o Centro de Conservação da Fauna Silvestre, a pesca e outros tantos que a tornam um centro diversificado de serviços e atrativos só encontrados em pólos turísticos de determinada complexidade.

Rio Paraná: O rio Paraná é formado pelo encontro das águas dos rios Grande e Paranaíba, a aproximadamente 60 quilômetros da montante da UHE Ilha Solteira. Possui a maior potência instalada de energia elétrica, destacando-se em sua bacia grandes usinas, tais como: UHE Eng. Souza Dias, UHE Ilha Solteira, UHE Itaipu, entre outras. Forma com o Rio Tietê a maior hidrovia da América do Sul, a Hidrovia Tietê-Paraná, que no futuro unir-se-á à Hidrovia Paraná-Paraguai.

Rio Tietê: O Rio Tietê possui 1.100km de extensão. Nasce no município de Salezópolis-SP, numa altitude de 1.030m a 22km do Oceano Atlântico e desemboca no Rio Paraná no município de Itapura. É um rio histórico que permitiu as entradas e bandeiras e o desenvolvimento da cafeicultura e da industrialização.
Na sua margem direita, na desembocadura no rio Paraná, foi construída no governo de D.Pedro II, a Vila Militar de Itapura, durante o período da Guerra do Paraguai. A vila localizava-se logo após os Saltos de Itapura. Hoje o rio está ligado ao Rio São José dos Dourados pelo canal de Pereira Barreto, incorporando os 400km do tramo norte da Hidrovia Tietê-Paraná, ligando São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Goiás.

Rio São José dos Dourados: O rio São José dos Dourados nasce no município de Mirassol, desaguando no rio Paraná. Corta o município de Ilha Solteira e hoje está ligado ao rio Tietê pelo Canal de Pereira Barreto que incorporou os 400km do tramo norte da Hidrovia Tietê-Paraná. Sua bacia é constituída de aproximadamente 35 afluentes e 25 municípios em toda a sua extensão. Por ser um rio de corredeiras, favorecia a piracema do dourado, peixe que lhe empresta o nome, que entrava através do Paraná, procurando a cabeceira do rio São José dos Dourados para a desova (antes do represamento do rio Paraná).

Praia Catarina: Local de lazer destinado às comunidades local e regional. Possui infra-estrutura de acesso pavimentado, com iluminação, duchas, lanchonetes, restaurantes, quadras poliesportivas, estacionamento para ônibus e carros, calçadão iluminado, telefone público, ancoradouro, área para camping e área gramada com floreiras, 26 quiosques, 3 sanitários (masculino e feminino).

Praia Marina: Atualmente o local contém infra-estrutura voltada para a prática do windsurf, jet ski, prancha à vela, motor e canchas, ainda tem um bar e lanchonete com todos os serviços de petiscos e bebidas, sanitários (feminino e masculino), área para embarque e desembarque, barracão, telefone público, acesso pavimentado com iluminação e campos de futebol.

Pesca Esportiva – A pesca esportiva permite disputas em diversas modalidades como torneios, campeonatos, circuitos. Segue um detalhado sistema de regulamentos e normas, aperfeiçoados ao longo de anos em vários país e competições internacionais.
O pescador esportivo pratica a pesca como hobby, pelo prazer e a emoção do esporte. O pescador esportivo não mata os peixes que captura. Eles são, no máximo, fotografados, pesados e medidos para registro, e soltos em seguida. Graças a esse sistema, é possível preservar os peixes e manter a pesca como um dos esportes mais praticados em todo o mundo. Uma atitude de respeito e proteção da natureza.
Ilha Solteira, devido à sua localização geográfica, rodeada por rios e lagos, é um lugar com ótimas condições para a prática de pesca, principalmente a esportiva que vem ganhando cada vez mais adeptos. A grande quantidade e variedades de peixes aqui existentes estimulam a vinda de pescadores de todo o Brasil.

Porto – Local muito apreciado pelos Pescadores, o porto é dotado de ótimos restaurantes que oferecem comidas típicas da nossa região, principalmente a Tilápia e o Tucunaré, servidas em maravilhosas peixadas.

Ilha Solteira possui muitos bens materiais e imateriais que foram declarados como Patrimônio Histórico e Cultural do Município. São eles: a Caixa D’Água, a Estrela, a Praça dos Paiaguás, a Praça da Emancipação, o Monumento da Emancipação, o Monumento aos Barrageiros, a ilha que deu origem ao nome da cidade, a Ilha da Ferradura, o Festival de Música Popular Brasileira, a expressão barrageiro e toda documentação referente ao processo de emancipação político-administrativa de Ilha Solteira.

Caixa D’Água: Com 33 metros de altura, construída em concreto armado, é um monumento que possui a forma de uma taça, sendo um marco histórico da cidade.

Estrela: Símbolo de Ilha Solteira, construída em uma estrutura metálica com iluminação interna. Possui vinte pontas, que representam as vinte unidades geradoras da usina.

Praça dos Paiaguás: A praça central da cidade recebeu o nome de Paiaguás para homenagear os índios Paiaguás que eram exímios canoeiros e valentes lutadores, habitantes das regiões ribeirinhas que conduziam de São Paulo a Cuiabá.
Praça da Emancipação e Momento da Emancipação: Praça que abriga um marco da cidade, o monumento homenageia a todos os que tiveram coragem para lutar para que Ilha Solteira se tornasse um município.

Monumento aos Barrageiros: O monumento aos Barrageiros é composto de duas partes simbólicas: uma chapa metálica representando uma onde d’água e três pilares de concreto armado e metal representando os operários que construíram a barragem. O conjunto compõe então uma unidade plasticamente harmoniosa, significando a imposição da força e inteligência humana frente à natureza muitas vezes indomável.

Ilha Solteira: É uma ilha fluvial situada a 800m da jusante da UHE, batizada assim, devido à existência a 12 quilômetros dela, de um arquipélago fluvial com cinco ilhas, cujo nome é “Cinco Ilhas”. Desta forma, a ilha em questão, por estar sozinha, foi denominada “Ilha Solteira”.
A ilha é repleta de espécies nativas da fauna e da flora regional, possui 2000 metros de comprimento com cerca de 300 metros de largura. Seu acesso se faz pelo Porto de Navegação, situado à margem esquerda do rio Paraná.

Ilha da Ferradura: A Ilha da Ferradura é uma ilha do rio Paraná, divisa natural entre SP e MS, e que faz parte do lago da Usina de Jupiá, situada cerca de 25 km a jusante. A Usina Ilha Solteira situa-se a cerca de 12 km a montante dessa ilha.
Historia: Esta ilha era uma antiga fazenda que, com a construção da Usina Jupiá, foi toda desmatada pois havia a previsão que seria submersa com a formação do lago, no final da década de 60. Isso acabou não acontecendo e dos mais de 100 hectares originais da Ilha, alguns ficam permanentemente seco (exceto em épocas de grande vazão de água na Usina Ilha Solteira).
Estas áreas foram paulatinamente ocupadas por pescadores e rancheiros, que, em 2002, foi considerado pela justiça como uma ameaça a sua preservação. Reunidos em torno do objetivo de manterem os ranchos ja estabelecido foi criada a ARCI – Associação dos Rancheiros das Cinco Ilhas – que congrega os esforços de todos para implementarem um amplo programa de reflorestamento, criação de barreiras naturais para contenção da erosão, fiscalização contra novas construções, limpeza e proteção contra incêndio. Quanto a fauna da região, foram retiradas todas as cercas e animais domésticos e possibilitando o livre fluxo de animais silvestres. Há dezenas de espécies de arvores frutíferas e muitas espécies de pássaros.
Apesar de estar no perímetro da cidade de Itapura, esta Ilha se localiza mais próxima da cidade de Ilha Solteira, a cerca de 9 km do porto de navegação.

O Centro de Conservação da Fauna Silvestre de Ilha Solteira (Zoológico) foi construído em 1979, pela administração da CESP, numa área de 18 ha, com vegetação remanescente da região onde alguns animais provenientes do enchimento dos Reservatórios de Jupiá e Ilha Solteira, são mantidos em ambiente semelhantes aos seus habitats.
Reconhecido pela comunidade Zoológica nacional, com as quais mantêm intercâmbio, pelos trabalhos de alto nível na preservação, reprodução e criação em cativeiro de espécies como o jacaré de papo-amarelo, a arara-canindé, o cachorro-do-mato vinagre, bugio vermelho, cervo do pantanal, jaguatirica, lobo-guará, tamanduá-bandeira entre outros, sendo pioneiros em alguns deles como no caso do aleitamento artificial do cervo do pantanal.
Serve como núcleo para trabalhos de educação ambiental realizado pela Divisão de Programas Físicos e Bióticos da Diretoria de Meio Ambiente da CESP. Possui 48 espécies de animais.
A visitação acontece aos sábados e domingos, das 09h00 as 16h00. Escolas devem agendar visita com 30 dias de antecedência. Telefone ara contato: (018) 3742-2916.

Cidade da Criança (Parque da Mantiqueira)
A Área de Lazer, também denominada “Parque da Mantiqueira”, localizada na Alameda Minas Gerais, é circundada por pinheiros típicos da região da Mantiqueira e angicos. Possui luminárias, mesas de concreto, bancos, banheiros masculino e feminino, campo de futebol, play ground, quadras de bocha, quadras de tênis (Saibro), bebedouros, área de caminhada, pista de skate, estacionamento e área de alimentação.
Dentro do mesmo Parque Ecológico, existe a “Cidade da Criança”, onde existem vários brinquedos para a prática eco-esportiva. No local não é autorizado o consumo de bebidas alcoólicas, adentrar sem camisetas e transitar com bicicletas e/ou veículos automotores. Telefone para contato: (18) 3743-6026 / (18) 3743-6026

Estádio Frei Arnaldo
O Estádio possui capacidade para 6 mil pessoas e conta com pista de atletismo, locais próprios e demarcados para arremesso de dardo, cisco ou martelo e para saltos em extensão e altura e saltos com vara.
Anualmente, são realizados no estádio jogos municipais como o campeonato Varzeano e a Copa V, além de jogos regionais.

Ginásio Poliesportivo
Destinado à prática de esportes em quadras, o ginásio conta com vestiários femininos e masculinos, salas de múltiplo uso, alojamentos (cada um com capacidade para 172 atletas), bar para atendimento do atletas alojados e dependências de saúde (consultório médico e sala de fisioterapia).

Situada no rio Paraná, a Usina Hidrelétrica de Ilha Solteira, a maior construída pela CESP, com 3.444.000 KW de potência final, compõe com a UHE Engº. Souza Dias, o Canal de Pereira Barreto e a UHE Três Irmãos, um dos maiores complexos hidrelétricos do mundo.

Foi em Ilha Solteira que a engenharia nacional incorporou experiência e tecnologia que hoje continuam a serem usadas e desenvolvidas nas obras de grande porte, a começar pelo planejamento acurado da infra – estrutura de logística e canteiro de obras, que permitiram a quebra de vários recordes de produção.

O local é aberto para visitação de segunda à sexta às 10h00 e às 15h00 (exceto feriados); Escolas e excursões devem agendar visita com 30 dias de antecedência

Telefone: (18) 3743-7167 / (18) 3743-7277